sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Trechos do livro "Ana e Pedro - Cartas"


Voltei! Agora com o post sobre os trechos do livro Ana e Pedro - Cartas dos autores Vivina de Assis Viana e Ronald Claver. Achei o livro bem fofo, simples e uma ótima leitura. Para conferir a resenha do livro, clique aqui. Leia agora os trechos que eu mais gostei, e que não pude colocar na resenha.

"Ana e Pedro convivem com palavras perigosas: liberdade, emprego, reformas, dinheiro, amor e Aids."
página 48

"Ah, e gosto de diários. Desde aquele da Anne Frank, dos tempos do nazismo , até os dos dias de hoje, tempos de Aids e de preocupações ecológicas."
página 51

"P.S. Você disse que convivemos com palavras perigosas: liberdade, emprego, reformas, dinheiro, amor e Aids.
Nenhuma delas é tão perigosa quanto a morte."
página 52

"(...) Escrever é ter paciência e esperar. Um dia a história acontece. (...)."
página 64

"Fico pensando que, se ler é bom, escrever deve ser melhor ainda.
A gente inventa, desinventa (como você fez com o Big Ben), rasga, joga fora, começa de novo.

(...)

Gosto de te escrever. Te escrevi algumas cartas tristes, mas era assim mesmo que elas tinham de ir.
A gente deve escrever o que sente, do jeito que sente.
Te escrever sempre me fez bem. (...)."
página 67

"(...) Não vou usar nenhum disfarce, não preciso, não precisamos. Já nos conhecemos bastante. Os olhos serão cúmplices e não haverá nenhuma dúvida. O livro eu levo. É mania antiga. Não sei andar sem um livro nas mãos."
página 69

"(...) Quero surpresa e que tudo seja como nossos sonhos: imprevisíveis, loucos e extremamente bonitos e desafiantes."
página 70

"Escrever é bom. Ouvir música? Muito melhor. Ler também, muito melhor. Menos os próprios textos. Nunca releio os meus, e me esqueço deles com facilidade."
página 79 (trecho do texto sobre a autora Vivina de Assis Viana).

"A literatura é uma companheira legal e fiel. Conheci-a ainda menino e, sem a carteirinha de escritor e sem pedir licença, fui escrevendo o mundo. A matéria do escritor é a vida e esta explode nas esquinas, nos bares, na sala de jantar, nos becos, estádios e corações. A vida é eletricidade. O escritor é o fio condutor desta realidade. E dá choque."
página 80 (trecho do texto sobre o autor Ronald Claver).

Era isso. Achei o livro bem bacana e queria muito compartilhar os trechos que mais gostei aqui.

Abraços e até o próximo post!

Nenhum comentário:

Postar um comentário